BLACK ROCK

performance - ambiente

Nesta segunda versão da performance, que será apresentada na sala de espetáculos do Estúdio REATOR o tema impermanência continua sendo explorado; por meio de ações criadas com imagens, objetos, e sons. Será a exploração do palpável e do onírico criando um campo para ser preenchido pela imaginação, propondo ao espectador que crie a sua própria dramaturgia.

Assim, surgem textos breves descrevendo personagens possíveis, figuras surgidas das letras das canções do universo pop,  animais, e figuras desumanas, ou só desorientadas pelo cotidiano massacrante. Um recorte de universo urbano no qual estamos colados, e impregnados do "modos operantes" que optamos, e para o qual trabalhamos para manter.

 

Black Rock surge como um parêntese desse entorpecimento, e dos espasmos que provocam algumas quedas, como se em alguns momentos uma "vibe" nos sintoniza-se a vida em processo, e nos descondicionasse das obviedades do cotidiano, e assim nesse estado ficássemos apenas a fluir... como pedras causando círculos no mar.

A obra, peça, performance, ambiente, cria um deslocamento, e sugere a cada pessoa que o torne singular, que o torne particular, que se aproprie do tema e colabore com sua atitude, para que o outro, o que está ao lado, também possa colocar seus pés no riacho...

Serviço:

BLACK ROCK – performance – ambiente

com Nando Lima

Fotos de Divulgação : Dudu Lobato

Quando: BREVE , agosto de  2017

Dias: 05 - 12 - 19 - 26

Hora: 21:00

Ingresso: 20,00 reais

Local: Estúdio REATOR

Endereço: travessa 14 de abril, nº 1053

(entre Av. gov. José Malcher  e  Av. Magalhães Barata)

Contatos: estudioreator@gmail.com   cel. 98112-8497 - WhatsApp - (Nando Lima)

  

BLACK ROCK

performance - ambiente

(EDIÇÃO de 2016 )

Um final de semana na praia, gerou a performance-ambiente BLACK ROCK , algumas pedras encontradas na areia da praia, na verdade um tipo de tijolo com encaixes desgastados pela ação das marés, serviram de ponte para a construção do trabalho que discute a “impermanência das coisas e do mundo”.

Quando entramos no mar, a refração da luz do sol nas águas, reabre nossos olhos para as tons e o poder e fluidez das ondas, a presença poderosa que nos envolve e nos coloca em ação plena, é sempre inequívoca, transfere nosso centro de gravidade, para eixos múltiplos, o que nos coloca em contato com o fluxo do nosso corpo de água; Tudo é.  Tudo está. a sincronicidade  se instala.

Segundo Carl Jung podemos dizer que,”sincronicidade é a experiência de ocorrerem dois (ou mais) eventos que coincidem de uma maneira que seja significativa para a pessoa (ou pessoas) que vivenciaram essa "coincidência significativa", onde esse significado sugere um padrão subjacente, uma sincronia.”

A experiência de observar ou sentir esses padrões, os encontros, as arestas dos desejos, os nivelamentos e deslizes que experimentamos nesses momentos, nos deslocam para o próximo nível de nossa vida, e passamos por necessidades, tentativas, perdas, posses, e mesmo a morte, (que é de cada um) se desdobra em elos e sequências necessárias, para que tudo continue.

No Estúdio Reator a performance – ambiente BLACK ROCK, acontecerá no terraço, embaixo do céu, imagens filmadas desse encontro em Salinas, um final de semana de outubro de 2015, revisitado, reinventado, sonorizado, e estendido em novos significados.  O jardim com plantas variadas cultivado no terraço nos últimos quatro anos, e a vista da cidade de Belém a partir do bairro de São Brás, mesclados, tornados simbiose, pois são organismos vivos, se completam em um “environment” .

Na performance serão usados recursos sonoros, luzes sincronizadas, projeções, e ainda elementos que estimulam os sentidos, como o tato e olfato, Nando Lima receberá o público, que tem liberdade para escolher o tempo de permanência e a maneira de interação com o ambiente performatico. 

Serviço:

BLACK ROCK – performance – ambiente

com Nando Lima

Quando: Junho de 2016

Dias: 17 sexta , 18 sábado , 24 sexta, 25 sábado

Hora: 21:00

Ingresso: 20,00 reais

Local: Estúdio REATOR

Endereço: travessa 14 de abril, nº 1053 (entre Av. gov. José Malcher  e  Av. Magalhães Barata)

Contatos: estudioreator@gmail.com   cel. 98112-8497 (Nando Lima)

O Amor 

 

Um dia, quem sabe,

ela, que também gostava de bichos,

apareça

numa alameda do zôo,

sorridente,

tal como agora está

no retrato sobre a mesa.

Ela é tão bela,

que, por certo, hão de ressuscitá-la.

Vosso Trigésimo Século

ultrapassará o exame

de mil nadas,

que dilaceravam o coração.

Então,

de todo amor não terminado

seremos pagos

em inumeráveis noites de estrelas.

Ressuscita-me,

nem que seja só porque te esperava

como um poeta,

repelindo o absurdo quotidiano!

Ressuscita-me,

nem que seja só por isso!

Ressuscita-me!

Quero viver até o fim o que me cabe!

Para que o amor não seja mais escravo

de casamentos,

concupiscência,

salários.

Para que, maldizendo os leitos,

saltando dos coxins,

o amor se vá pelo universo inteiro.

Para que o dia,

que o sofrimento degrada,

não vos seja chorado, mendigado.

E que, ao primeiro apelo:

– Camaradas!

Atenta se volte a terra inteira.

Para viver

livre dos nichos das casas.

Para que doravante

a família seja

o pai,

pelo menos o Universo,

a mãe,

pelo menos a Terra.

 

Vladimir Maiakovski (1893-1930)

 

© 2016/2019  Orgulhosamente criado por Estúdio REATOR

  • w-facebook
  • Twitter Clean
  • w-googleplus